Vivemos em uma sociedade que tem cultivado padrões de comportamento absolutamente contraditórios. Recebemos (e fazemos) cobranças paradoxais em diversas áreas da vida, como imagem corporal (aparência), finanças, carreira (ou profissão/estudos), saúde física, equilíbrio emocional, casamento, desempenho sexual, maternidade/paternidade, lazer (diversão) e outras. Já falamos como isso pode te prejudicar no artigo “Como a busca pelo sucesso pode te levar ao fracasso”, neste artigo vamos apresentar as contradições que surgem a partir destas cobranças sociais, e como elas atingem homens e mulheres de formas diferentes.
Em nossos atendimentos, notamos que as mulheres, em geral, são mais cobradas em relação a imagem corporal (aparência), equilíbrio emocional, casamento e maternidade, já os homens são mais cobrados em relação a finanças (renda/patrimônio), carreira (ou profissão/estudos), saúde física, desempenho sexual e lazer (diversão). Ambos são cobrados tanto por homens quanto por mulheres, mesmo que de forma diferenciada (aberta ou velada). Uma pesquisa, realizada no EUA, investigou as características mais importantes para “ser feminina” (MAHALIK, MORRAY, COONERTY-FEMIANO, LUDLOW, SLATTERY, & SMILER, 2005), e o resultado foi:

  • Ser simpática (amigável/agradável com as pessoas);
  • Ser modéstia (não chamar atenção para si);
  • Ser do lar (doméstica ou caseira);
  • Se esforçar para ser magra;
  • Cuidar bem de crianças (ou dos filhos);
  • Buscar relacionamento amoroso;
  • Ter fidelidade sexual;
  • Investir na aparência.

O mesmo grupo de pesquisa também estudou o que é “ser masculino” (MAHALIK, LOCKE, LUDLOW, DIEMER, SCOTT, GOTTFRIED, FREITAS, 2003), e os resultados foram:

  • Vencer na vida (conquistar patrimônio e renda);
  • Ter controle emocional;
  • Assumir riscos;
  • Demonstrar agressividade, dominância e autoconfiança;
  • Buscar o hedonismo (prazeres da vida);
  • Priorizar o trabalho;
  • Demonstrar poder sobre as mulheres e desprezo à homossexualidade;
  • Buscar intensamente status social elevado (ser valorizado pela sociedade).

Apesar das pesquisas terem sido realizadas nos EUA, elas refletem bem o que aparece nos nossos consultórios. Estas características, impostas pela sociedade sobre o que é ser feminino ou masculino, acabam gerando obrigações na cabeça das pessoas, independentemente de serem ou não desejadas, possíveis ou relevantes para elas. Ou seja, ainda que você não queira, não possa ou não se importe em ser simpática/modesta/caseira/magra/agressivo/dominante/hedonista/trabalhador, você vai ter pensamentos positivos e/ou negativos sobre isso. Na maioria das vezes estes pensamentos são contraditórios, o que gera muito sentimento negativo, já que se torna impossível contempla-los plenamente. Em geral, na cabeça das mulheres aparecem pensamentos do tipo:

  • Eu devo estar sempre perfeitamente arrumada, mas não posso sacrificar o tempo com marido, filhos ou trabalho;
  • Eu devo ser sempre sincera e honesta, mas não posso ferir ninguém;
  • Eu tenho que ter um corpo magro e sexualmente atraente para ser aceita e amada;
  • Eu devo ser sexualmente atraente e ao mesmo tempo recatada (não chamar a atenção dos outros);
  • Eu devo ser muito ousada na cama e, ao mesmo tempo, muito discreta;
  • Devo mostrar minhas emoções, mas não posso ser histérica (demonstração de raiva), barraqueira (demonstração de raiva), isolada (demonstração de tristeza), medrosa (demonstração de medo), louca ou desequilibrada;
  • Mulheres solteiras devem se casar;
  • Mulheres casadas devem ter filhos;
  • Se eu for excepcional em tudo, significa que sou perfeita;
  • Se eu não for perfeita, serei abandonada por todos.

Normalmente os homens têm pensamentos do tipo:

  • Devo trabalhar intensamente muitas horas por dia para vencer na vida, mas ao mesmo tempo aproveitar todos os prazeres que a vida pode oferecer;
  • Devo demonstrar desprezo à homossexualidade, mas preciso respeitar os homossexuais;
  • Devo parecer sempre seguro e confiante, não importa o que esteja acontecendo na minha vida;
  • Devo ser extremamente audacioso para ser aceito e reconhecido, mas posso ser rejeitado se arriscar demais ou falhar;
  • Devo demonstrar poder sobre as mulheres, mas respeitar as mulheres como iguais;
  • Devo atender todas as vontades das pessoas que eu amo para ser aceito e amado;
  • Preciso ser sensível aos sentimentos dos outros, mas não posso demonstrar emoção ou ser frio;
  • Para conquistar e vencer na vida, tenho que controlar minha dor emocional de qualquer forma (seja com álcool, drogas, agressão, comida, sexo ou qualquer outra coisa);
  • Se eu for um fracasso (no trabalho/estudos/desempenho sexual), serei rejeitado por todos, pois serei uma grande vergonha.

É importante ressaltar que qualquer pessoa (homens e mulheres) podem ter pensamentos de ambas as listas (feminina e masculina), dependendo do que tem valor para ela. Ter pensamentos da “lista de masculina” não te torna mais homem, apenas significa que você dá importância a aspectos da vida que na nossa sociedade são cobrados mais dos homens. Por exemplo, uma mulher pode ter o pensamento “Se eu for um fracasso no trabalho (ou nos estudos), serei rejeitada por todos, pois serei uma grande vergonha”, isto significa que carreira/profissão/estudos são importantes para ela. Como carreira/profissão/estudos são mais cobrados dos homens do que das mulheres, na cultura ocidental, os pensamentos sobre esse aspecto acabou ficando na lista masculina.
Quando homens e mulheres não conseguem lidar bem com os pensamentos negativos, acabam “enlouquecendo” (desenvolvendo um transtorno mental) – dentre outras possibilidades. Em geral, as mulheres transformam os sentimentos negativos (medo, tristeza, raiva, repulsa) em depressão e/ou ansiedade, tanto que elas são maioria nas pesquisas epidemiológicas para Transtorno Depressivo Maior e Transtornos de Ansiedade (APA, 2013). Os homens, diferente das mulheres, normalmente, transformam os sentimentos negativos em transtornos de impulso, especialmente no abuso e dependência de substâncias (transtorno por uso de álcool, cigarro, maconha, medicamentos e outros), conforme resultado das mesmas pesquisas epidemiológicas. Perceba que até os transtornos mentais tem relação com as cobranças que recebemos da sociedade.
Para lidar bem com esses pensamentos negativos e as contradições da sociedade moderna, são necessárias muitas habilidades, mas duas dicas podem te ajudar bastante.
Primeira dica: entenda que não foi você que escolheu ter estes pensamentos negativos. As características impostas pela sociedade sobre o que é ser feminino ou ser masculino e os pensamentos negativos foram socialmente ensinados a você, e sua mente irá te dá-los como se fossem naturais (ela foi evolutivamente programada para isso). Então apenas note que você teve um pensamento negativo e depois vá para “Segunda dica”.
Segunda dica: avalie se alguma parte do pensamento negativo (contraditório) serve para você, pratique o “estranhamento”. Depois de notar que teve um pensamento negativo, se pergunte “O que tem valor neste pensamento para mim?”, ou seja “O que há de importante para mim neste pensamento?”. Note que a pergunta não é “O que tem valor neste pensamento para sociedade?”, nem “O que eu deveria valorizar deste pensamento?”, o foco é você e não a sociedade. Alguns pensamentos negativos são apenas mitos sociais (mentiras), certamente não servem para nada, como:

  • Eu tenho que ter um corpo magro e sexualmente atraente para ser aceita e amada;
  • Se eu não for excepcional em tudo, significa que não sou perfeita;
  • Se eu não for perfeita, serei abandonada por todos;
  • Devo atender todas as vontades das pessoas que eu amo para ser aceito e amado;
  • Se eu for um fracasso (no(s) trabalho/estudos/desempenho sexual), serei rejeitado por todos, pois serei uma grande vergonha;
  • Eu devo estar sempre perfeitamente arrumada.

Em outro ponto de vista, alguns pensamentos estabelecem contradições entre valores (aspectos importantes da vida para você) como se eles fossem excludentes, sendo que na maioria das vezes eles são conciliáveis, como casamento, maternidade e carreira. Quando o pensamento apresenta aspectos que são importantes para você, basta decidir o quanto você deseja se dedicar a cada aspecto. Por exemplo, diante do pensamento “Eu devo estar sempre perfeitamente arrumada, mas também não posso sacrificar o tempo com meu marido, filhos ou trabalho”, e considerando que Aparência, Casamento, Maternidade e Trabalho sejam importantes para você, apenas note que teve o pensamento e se pergunte “O que há de importante para mim neste pensamento?”, a resposta será “Aparência, Casamento, Maternidade e Trabalho”. Decida-se como você vai priorizar isso na sua vida, eles não são excludentes.
Você também pode se deparar com pensamentos que apontam para aspectos que não tem valor para você, e você pode simplesmente notá-los sem “ser fisgada” (como explicamos no artigo “O controle de pensamentos negativos: uma conversa entre Terapeuta e Cliente”). O objetivo é você deixar passar (“notar sem morder”) a parte do pensamento negativo que não apresente nada de valor para você, ainda que seja socialmente valorizado. Ou seja, ficar apenas com a parte do pensamento que você realmente se importa (tem valor para você). Por exemplo, diante do pensamento “Mulheres casadas devem ter filhos”, e considerando que Casamento seja importante para você, e Maternidade não, apenas note que teve o pensamento e se pergunte “O que há de importante para mim neste pensamento?”, a resposta será “Casamento”, então apenas deixe passar o pensamento que deve ter filhos, ele não é seu, foi socialmente ensinado a sua mente.
Com isso, você já percebeu que, na verdade, muitos dos aspectos da vida que tanto nos cobramos são apenas moldados pela sociedade, estereótipos de como devemos ser e agir. Alguns deles realmente são importantes para nós, os que vão ao encontro dos nossos valores, são esses aspectos que devemos dar atenção e alinhar nossas atitudes. Além disso, “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é” (Caetano Veloso, na música Dom de Iludir), por isso, precisamos nos questionar em relação a o que gostaríamos de dar prioridade no momento atual. Ao dar mais atenção a um aspecto da vida, acabamos abrindo mão de outros, ou seja, por vezes é preciso priorizar um aspecto em função de outro, e não há problema em fazer essa escolha. É impossível ser impecável e perfeita em tudo o tempo todo como nos é “exigido” socialmente, cabe a nós “deixarmos passar” estes pensamentos sem julgar. Se ainda assim, você tiver muita dificuldade para lidar com pensamentos negativos, procure um profissional, nós, psicólogos, fomos treinados para isto. Podemos te ajudar a lidar com pensamentos e sentimentos negativos, melhorando a saúde emocional e a satisfação com a vida

Compartilhe este texto com as pessoas que você acha que também podem se beneficiar.

Para entrar em contato com os autores:
Rafael Balbi: e-mail contato@consultoriorafaelbalbi.com
Lorayne Clemente: e-mail lorayne.clemente@hotmail.com

Referencias
American Psychiatric Association (APA). (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (DSM-5®). American Psychiatric Pub.
Mahalik, J. R., Locke, B. D., Ludlow, L. H., Diemer, M. A., Scott, R. P., Gottfried, M., & Freitas, G. (2003). Development of the conformity to masculine norms inventory. Psychology of Men & Masculinity, 4(1), 3.
Mahalik, J. R., Morray, E. B., Coonerty-Femiano, A., Ludlow, L. H., Slattery, S. M., & Smiler, A. (2005). Development of the conformity to feminine norms inventory. Sex Roles, 52(7-8), 417-435.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s